CAMPUS BOM JESUS DO ITABAPOANA

Você está aqui: Página Inicial > Nossos campi > Bom Jesus do Itabapoana > Notícias > IFF Bom Jesus oferece oficinas de Capoeira e Jiu-jitsu gratuitamente à comunidade

Notícias

IFF Bom Jesus oferece oficinas de Capoeira e Jiu-jitsu gratuitamente à comunidade

Esporte

Para participar, interessados devem comparecer às aulas, realizadas na quadra do IFF Bom Jesus, nos dias e horários disponíveis.
por Comunicação Social do Campus Bom Jesus do Itabapoana publicado 11/04/2019 00h00, última modificação 12/04/2019 09h36
Aulas acontecem na quadra do IFF Bom Jesus.

Aulas acontecem na quadra do IFF Bom Jesus.

Condicionamento físico, disciplina, consciência corporal e saúde são alguns dos aspectos diretamente relacionados à prática esportiva, trabalhados semanalmente no Instituto Federal Fluminense Campus Bom Jesus. Ministradas voluntariamente por consagrados atletas bonjesuenses, as oficinas de Capoeira e Jiu-jitsu foram iniciadas em 2018, com o objetivo de atender aos moradores da Residência Estudantil. Neste ano, o projeto foi ampliado para atender também aos demais alunos, servidores e à comunidade externa.

Para participar das oficinas, que são gratuitas, o interessado deve se apresentar ao instrutor responsável pela modalidade, no dia e horário da aula. As aulas de Jiu-jitsu acontecem às quartas-feiras, a partir das 19h30min, e são ministradas pelos professores Eduardo Fitaroni e Rafael Nistaldo. Eduardo é faixa preta da modalidade e de Judô. Campeão de Jiu-jitsu, acumula títulos nacionais, regionais e internacionais, além de formações diversas para ministração de treinamentos.

A Capoeira tem início às 18h, comandada pelo Mestre André Marreta, às quintas-feiras. Entre as habilidades trabalhadas durante as aulas está a coordenação motora. “É bom para o físico e para a mente. Trabalha também a musicalidade, habilidade com os instrumentos; e não tem idade para a prática”, explica André, capoeirista há 27 anos.

Segundo o diretor de Pesquisa, Extensão e Inovação do Campus Bom Jesus, Daniel Coelho, esta é uma oportunidade de expandir o uso do espaço físico do campus para beneficiar a comunidade com saúde e qualidade de vida. “É importante também para a inclusão social, possibilitando a prática de atividades orientadas por profissionais que ensinam não só a arte marcial, mas também educam para a vida”, comenta.