CAMPUS BOM JESUS DO ITABAPOANA

Você está aqui: Página Inicial > Nossos campi > Bom Jesus do Itabapoana > Notícias > IFF oferecerá Ensino Fundamental a trabalhadores rurais no Norte e Noroeste Fluminense

Notícias

IFF oferecerá Ensino Fundamental a trabalhadores rurais no Norte e Noroeste Fluminense

Parceria

Trabalhadores de sete assentamentos terão acesso ao primeiro ciclo do Ensino Fundamental, por meio do Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária (Pronera), do Incra.
por Comunicação Social do Campus Bom Jesus do Itabapoana, com informações do Incra publicado 04/01/2019 16h00, última modificação 04/01/2019 17h13
Foto: Ascom do Incra/RJ Assinatura do termo de execução do projeto foi feita no dia 03 de dezembro de 2018.

Assinatura do termo de execução do projeto foi feita no dia 03 de dezembro de 2018.

O Instituto Federal Fluminense Campus Bom Jesus será o responsável por levar os cinco primeiros anos do Ensino Fundamental a cerca de 300 trabalhadores rurais de sete assentamentos dos municípios de Cardoso Moreira, São Francisco do Itabapoana e Itaperuna, no interior do estado do Rio de Janeiro. Por meio do Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária (Pronera), do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), aproximadamente R$ 1,2 milhão será investido em profissionais e infraestrutura para atender às comunidades.

Serão dois anos de trabalho, com previsão de formatura em junho de 2021. Durante o primeiro semestre de 2019 os professores, monitores e coordenadores locais receberão capacitação e o início das aulas está previsto para o segundo semestre deste ano. Segundo o diretor-geral do Campus Bom Jesus, professor Carlos Freitas, o projeto representa um grande salto para o desenvolvimento regional. “Ofereceremos a estes jovens e adultos uma nova oportunidade de inserção na sociedade. Pessoas capazes de ler e escrever, com certeza, melhoram em muito sua qualidade de vida em todos os aspectos: social, político, intelectual e cultural. Além disso, serão profissionalmente qualificados, em técnicas vocacionadas à sua realidade. Faremos um itinerário formativo que verdadeiramente atendam às suas necessidades”, explica.

Língua portuguesa, educação física, artes, matemática, ciências, história, geografia, além de práticas agrícolas e agroecológicas serão as disciplinas ministradas aos futuros estudantes. As aulas seguirão o modelo da pedagogia da alternância, em que os alunos passam um período tendo aulas na instituição de ensino e um tempo na comunidade onde vivem. Segundo Carlos, essa é uma oportunidade de ver a verdadeira inserção do tripé ensino, pesquisa e extensão, premissa dos Institutos Federais.

Tenho certeza que essas pessoas não ficarão apenas nesse nível de conhecimento. Quero também apostar que verticalizarão para o Ensino Médio e, porque não, o Superior. Se, deste público, dez por cento chegar ao nível superior, isso significa que em aproximadamente seis anos teremos 30 pessoas ingressando na universidade”, prevê, antecipando que a oferta do segundo ciclo (do sexto ao nono anos do Ensino Fundamental) também já está em planejamento com o Incra.

O projeto conta ainda com a parceria das prefeituras dos municípios onde estão localizados os assentamentos, da Universidade Federal Fluminense, da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) e do Movimento dos Pequenos Agricultores (MPA). A Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio, da Fundação Oswaldo Cruz (EPSJV/Fiocruz), também atuará em comunidades das regiões da Baixada Fluminense, Sul e Norte do estado.

Nas regiões noroeste e norte fluminense serão atendidos os assentamentos Chico Mendes, Francisco Julião e Paz na Terra, no município de Cardoso Moreira; Tipity e Zumbi dos Palmares, em São Francisco do Itabapoana; Floresta de Belém e Nova Esperança do Aré, em Itaperuna.