CAMPUS BOM JESUS DO ITABAPOANA

Você está aqui: Página Inicial > Nossos campi > Bom Jesus do Itabapoana > Notícias > Oficina discute acessibilidade e realiza prática de esportes paraolímpicos

Notícias

Oficina discute acessibilidade e realiza prática de esportes paraolímpicos

Mostra do Conhecimento

Ministradas pelos professores Gislane Nunes e Jackson Rezende, as atividades aconteceram durante a IV Mostra do Conhecimento.
por Comunicação Social do Campus Bom Jesus do Itabapoana publicado 27/09/2016 12h55, última modificação 30/09/2016 08h57
Exibir carrossel de imagens Além do regulamento das modalidades, acessibilidade foi tema do debate.

Além do regulamento das modalidades, acessibilidade foi tema do debate.

O espírito olímpico e paraolímpico contagiou os alunos do Campus Bom Jesus no mês de setembro. Além da viagem de alguns alunos e servidores ao Rio de Janeiro para assistir ao atletismo, a IV Mostra do Conhecimento promoveu as oficinas “Esportes paraolímpicos – inclusão por meio do esporte”. A primeira aconteceu na terça-feira (20), com a prática do voleibol sentado. Quarta-feira (21) foi a vez do futebol de cinco, praticado por deficientes visuais. As modalidades foram escolhidas como exemplos de esportes que fizeram parte das Paraolimpíadas 2016.

Nas atividades, muito mais do que o conhecimento das regras dos esportes, tentamos conscientizar os participantes sobre as dificuldades enfrentadas pelos atletas deficientes e pelas pessoas com alguma limitação no cotidiano”, explica a professora Gislane Nunes. Para ela, o resultado das atividades foi positivo, pois além de divertirem e ampliarem o conhecimento, levaram a uma importante reflexão a partir da experimentação de situações diferentes pelos participantes.

Bianca Camargo participou das atividades e conta que a experiência desconstruiu muitas ideias equivocadas que o grupo possuía sobre os portadores de deficiência. Ela destacou a dificuldade na execução de ambos os esportes, em especial no futebol de cinco. "Vi que sou muito dependente da minha visão, me senti desorientada, fiquei com medo de andar. É preciso muita concentração para ouvir e notei que nesse momento o som ambiente acaba atrapalhando, porque nossa tendência é falar. Seria bom que todos pudessem participar de oficinas como esta", conclui.  

Comunicação Social do Campus Bom Jesus do Itabapoana