CAMPUS BOM JESUS DO ITABAPOANA

Você está aqui: Página Inicial > Nossos campi > Bom Jesus do Itabapoana > Pesquisa > Inovações Tecnológicas na Produção e Qualidade dos Frutos de Maracujá Amarelo no Estado do RJ

Inovações Tecnológicas na Produção e Qualidade dos Frutos de Maracujá Amarelo no Estado do RJ

por Comunicação Social do Campus Bom Jesus do Itabapoana publicado 05/02/2019 12h00, última modificação 05/02/2019 13h32
Inovações Tecnológicas na Produção e Qualidade dos Frutos de Maracujá Amarelo no Estado do Rio de Janeiro

Coordenador: Clinimar Oliveira Amaral

Resumo: A cultura do maracujazeiro está entre as fruteiras tropicais mais plantadas no Brasil, com grande importância social e econômica em virtude de ser uma fruteira cultivada predominantemente por pequenos produtores e com boa rentabilidade econômica. O Brasil produz, anualmente, em torno de 704 mil toneladas de maracujá. No estado do Rio de Janeiro, a área cultivada em 2016 foi de aproximadamente 384 ha com uma produção de 5.956 toneladas. Mesmo com a expansão da área plantada no último ano, a inexpressiva área cultivada, associada aos baixos índices de produtividade é insuficiente para atender ao mercado de frutas frescas e a demanda das indústrias de suco de maracujá do Estado. Esse potencial de crescimento demanda a utilização de tecnologias que visem o aumento da produtividade e qualidade da fruta. Nesse sentido, o cultivo de maracujá em estufa apresenta-se como uma alternativa para os produtores, com resultados muito animadores. Todavia, o desenvolvimento da cultura do maracujazeiro está vinculado à adoção de tecnologias que visem solucionar problemas que comprometem a produção, como as doenças causadas por patógenos de solo, como a fusariose. Dessa forma, o presente trabalho tem como objetivo avaliar a tecnologia de mudas enxertadas associada ao cultivo em estufa e ao adensamento. Para validar essas tecnologias, um pomar será instalado em uma estufa com cobertura de filme de polietileno de baixa densidade com espessura de 150 micras, com tela antiafídeos nas laterais, com sistema automatizado de ventilação e nebulização com o objetivo de reduzir a temperatura quando necessário. A lavoura será conduzida em espaldeira com espaçamento de 1,25 m entre plantas e 2,00 m entre fileiras. O delineamento experimental utilizado será em blocos casualizados, com 2 tratamentos e 3 repetições, sendo a parcela experimental constituída de 13 plantas. Os tratamentos consistirão no plantio de mudas enxertadas e mudas propagadas por sementes. Serão avaliados o número de frutos, a produção e qualidade dos frutos em relação aos diferentes tratamentos. Nesse sentido, esse trabalho irá contribuir para o alcance dos resultados esperados, ou seja, melhorar os indicadores socioeconômicos das regiões envolvidas, com redução de custos de produção, agregação de valor aos produtos, geração de renda e emprego e redução de impactos ambientais.