CAMPUS CAMPOS CENTRO

Você está aqui: Página Inicial > Nossos campi > Campos Centro > Notícias > Primeira turma do curso "Desvendando a Língua Portuguesa para Surdos"

Notícias

Primeira turma do curso "Desvendando a Língua Portuguesa para Surdos"

Conclusão

Para alunos, o aprendizado de uma nova língua amplia possibilidades de comunicação.
por Comunicação Social do Campus Campos Centro publicado 10/08/2018 18h36, última modificação 10/08/2018 18h36
Exibir carrossel de imagens O ambiente descontraído colaborou para o sucesso do curso (Fotos: Rakenny Braga/Comunicação Social).

O ambiente descontraído colaborou para o sucesso do curso (Fotos: Rakenny Braga/Comunicação Social).

Dos 20 alunos inscritos, 18 foram até o final e se formaram. "Os outros dois tiveram que sair por motivo de trabalho", diz Estêvam Farias, Coordenador do Projeto. De todos os matriculados, seis eram estudantes do IFF Campos Centro. A última aula do curso teve direito a revisão geral de todo conteúdo, seguida de confraternização da equipe pedagógica com os alunos do curso.

O coordenador se orgulha da evolução sentida pelos  alunos no decorrer dos seis meses de curso: "No início, nas primeiras redações, era comum o surdo ter medo do português. Agora eles já pegam a caneta e desenvolvem uma redação tranquilamente". Quanto aos desafios ele conta que "cada aluno tem seu tempo. Como o Português é difícil para alguns ouvintes, imagine para os surdos. A ideia é a gente conseguir com nossa metodologia própria fazer com que os surdos consigam usar o português efetivamente no dia-a dia, além de tornar a sociedade mais inclusiva".

Francieli de Carvalho Vicente, foi uma das alunas formadas na primeira turma de Português para surdos:  "Eu queria conhecer as palavras, saber como fazer essa comunicação e no futuro evoluir. Também precisei aprender a ler porque desde abril sou aluna de Letras no IFF", revela a caloura. A aluna também comenta sobre metodologia utilizada:

- No curso tinham muitas brincadeira e uma das coisas que mais gostei era o entrosamento da própria turma, todo mundo queria responder primeiro e um aluno ajudava o outro. Era legal que a equipe consertava e os surdos iam aprendendo melhor. Porque realmente só dá pra aprender na prática. A equipe envolvida foi fundamental.