CAMPUS MACAÉ

Você está aqui: Página Inicial > Nossos campi > Macaé > Notícias > Equipe da Fanzinoteca do Campus Macae promove oficina na UFRJ

Notícias

Equipe da Fanzinoteca do Campus Macae promove oficina na UFRJ

IFFanzine

Calouros do curso de Nutrição da UFRJ aprenderam a técnica e produziram fanzines.
por Valdênia Gomes Miranda Lins publicado 16/03/2018 14h19, última modificação 16/03/2018 14h53
Exibir carrossel de imagens Oficina fez parte da recepção de calouros. (Foto: Alberto Souza)

Oficina fez parte da recepção de calouros. (Foto: Alberto Souza)

Os projetos "Comer Pra Quê?", da UFRJ, e Fanzinoteca IFF Macaé, realizaram, nesta quarta, 14 de março de 2018, uma Oficina de Fanzine para os Calouros do Curso de Nutrição, que integrou a programação de recepção de calouros.

Sob coordenação da nutricionista Amábela de Avelar Cordeiro, o "Comer Pra Quê?" é um movimento de mobilização da juventude para pensar a alimentação como ato político, despertando a consciência crítica sobre suas práticas alimentares, buscando dar voz e visibilidade aos desafios dos jovens para se alimentarem de forma adequada e sustentável. 

O evento iniciou-se com uma apresentação dialogada apontando conexões sobre as práticas alimentares cotidianas, tais como sustentabilidade, desperdício, comportamento e outros, enfatizando-se a discussão sobre alimentação em face das questões de gênero e despertando interesse dos presentes a pensar no alimento "para além do prato".

Em seguida, a equipe da Fanzinoteca IFF Macaé, representada pelo coordenador Alberto de Souza e a bolsista Karoll Castro apresentou o fanzine como mídia alternativa contra-hegemônica e  ferramenta facilitadora do exercício da autoria, numa proposta livre e estimulante, exemplificando técnicas artesanais de produção textual e de imagens ao estilo "faça você mesmo" e conceitos que permeiam a prática da fanzinagem.

Ao final, os participantes produziram zines com a temática em discussão, e socializaram os trabalhos produzidos, manifestando, em geral, a satisfação com a proposta criativa, a forma despojada de construir as ideias em coletivo, e a quebra de padrões proposta pelo artefato zineiro.

Veja aqui o fanzine produzido por Karoll Castro na oficina.