CAMPUS MACAÉ

Você está aqui: Página Inicial > Nossos campi > Macaé > Notícias > Servidores do Campus Macaé aprendem Libras

Notícias

Servidores do Campus Macaé aprendem Libras

Inclusão

Interesse em aprender a Língua Brasileira de Sinais cresce com o aumento do número de alunos surdos na instituição.
por Valdênia Gomes Miranda Lins publicado 15/03/2018 13h43, última modificação 15/03/2018 13h43
Exibir carrossel de imagens Milena Schuab, do segundo ano do curso Técnico em Meio Ambiente participa das aulas.

Milena Schuab, do segundo ano do curso Técnico em Meio Ambiente participa das aulas.

O Núcleo de Apoio a Pessoas com Necessidades Educacionais Especiais do Campus Macaé, através da Escola de Formação Continuada dos Trabalhadores da Educação está capacitando servidores na Língua Brasileira de Sinais (Libras). O curso teve início no dia 21 de fevereiro e teve adesão maior que a esperada.

A coordenadora do Núcleo, Elioenai Duarte, conta que foram abertas 40 vagas, mas 47 servidores frequentam as aulas, além de alguns discentes participando como ouvintes. “Hoje o IFF Macaé tem oito alunos surdos matriculados. Daí surgiu a necessidade de divulgar a Libras para que os servidores estejam preparados para receber, falar, cumprimentar e orientar esses alunos, por isso a dinâmica é mais prática que teórica”, disse ela.

O curso proporciona noções básicas da língua de sinais e seguirá até o mês de agosto com aula às quartas. Após esse período, o Núcleo estuda a possibilidade de promover uma turma para discentes e o segundo módulo para os servidores. “O nosso desejo é divulgar a Libras e mostrar o quanto é importante incluir esses alunos. Estamos felizes com a procura crescente, especialmente por parte dos professores. Também temos coordenadores, o diretor de Ensino e o diretor geral participaram de algumas aulas e o pessoal do restaurante tem representante no curso”, falou a coordenadora.

Ela também revelou que a coordenação planeja uma palestra sobre cegos, visto que o campus possui alunos com baixa visão. “Hoje temos 18 alunos com necessidades específicas. Estamos trabalhando para que essas diferenças sejam respeitadas e a inclusão aconteça”, concluiu.