Você está aqui: Página Inicial > Reitoria > Notícias > X Confict segue com programação diversificada

Notícias

X Confict segue com programação diversificada

Ciência

O evento segue até o dia 29 de junho de 2018, no Centro de Convenções da Uenf.
por Comunicação Social da Reitoria publicado 27/06/2018 11h22, última modificação 28/06/2018 10h41
Exibir carrossel de imagens Trabalhos desenvolvidos nos Programas de Iniciação Científica e Tecnológica foram apresentados.

Trabalhos desenvolvidos nos Programas de Iniciação Científica e Tecnológica foram apresentados.

 O X Congresso Fluminense de Iniciação Científica e Tecnológica (Confict) e o III Congresso Fluminense de Pós-Graduação (CONPG) acontecem até 29 de junho de 2018, na Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro (Uenf). Ao longo do evento, trabalhos desenvolvidos nos Programas de Iniciação Científica e Tecnológica e nos Programas de Pós-Graduação da Uenf, UFF e IFF estão sendo apresentados, além de minicursos e palestras.

 Na manhã do dia 26, houve a apresentação de banners e a palestra “Ciência no nosso dia a dia: economia, mídia especializada e crise”, ministrada pelo professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Jorge Luiz Alves Natal.

 O trabalho “Educação Física para todos: estudos e intervenções sobre a possibilidade de inclusão na Educação Física escolar” foi apresentado por Nichollas Pessanha, do Campus Campos Centro do IFF, na modalidade banner.

 O aluno afirma que, apesar da dificuldade de conseguir uma autorização com a Secretaria Municipal de Educação de Campos para a realização do projeto, o retorno foi importantíssimo: “o objetivo é relacionado à extensão, levar a Educação Física para as pessoas com deficiência, incluí-las nas aulas. Por ser desenvolvido em escolas municipais, a autorização para executar as atividades que nós tínhamos pesquisado para ajudar os professores não foi possível, só conseguimos observar os estudantes. Apesar disso, obtivemos um excelente feedback de como é a inclusão desses alunos com deficiência”.

 Outra pesquisa apresentada foi o “Risco da Síndrome de Rapunzel: relato de caso”, orientada por Rogério Burla, do IFFluminense, e realizada por Daniel de Assis, da Faculdade de Medicina de Campos.

 Daniel comenta que é muito importante participar de um congresso em uma universidade tão reconhecida como a Uenf e explica que o trabalho desenvolvido “é um relato de caso de risco da Síndrome de Rapunzel, que acontece quando um ser humano ingere o próprio cabelo e isso pode evoluir para o intestino delgado e causar uma obstrução. O caso estudado foi o de um paciente de 30 anos, residente em Campos dos Goytacazes, que aos 15 anos de idade começou a praticar tricotilomania (retirada de pelos do próprio corpo durante o período de ansiedade), mas não chegou a desenvolver a tricofagia, que é a ingestão desse material”.

 O estudante descreve que “o perigo começou a ocorrer quando a filha do paciente, aos dezoito meses, só queria chupar a chupeta se tivesse enrolado um fio de cabelo. O pai ficou preocupado, por ele ter um histórico, mas o quadro não foi agravado, pois a assistência médica foi prestada a tempo".

 Logo após as apresentações, a palestra ocorreu no auditório do Centro de Convenções. O palestrante Jorge Natal é economista, doutor em Ciências Econômicas pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e, durante a explanação e diálogo, pontuou questões sobre economia, a mídia e a crise brasileira.

 “A crise econômica não pode ser apartada do conjunto de relações estabelecidas em sociedade, que dão tessitura a nossa realidade. Começando pelas ciências sociais, ideologia e cientificidade, visto que a Economia é uma ciência social aplicada em disputa. Em seguida, os tópicos atuais de economia na mídia brasileira: práxis diversas, itens presentes no dia a dia nos jornais impressos, na televisão, e que são notadamente muito simpáticos, muito elogiosos a questões como a queda da inflação, a queda da Celic (taxa de juros definida pelo Banco Central a cada 45 dias), as pressões inflacionárias, mas o corte dos gastos públicos afetam diretamente as universidades e os serviços públicos”, explica o professor.