Você está aqui: Página Inicial > Extensão > Programas > Centros de Memória > Os Centros de Memória e o Núcleo Central

Os Centros de Memória e o Núcleo Central

por Comunicação Social da Reitoria publicado 11/12/2015 17h17, última modificação 22/02/2018 15h55
Conheça um pouco mais sobre os Centros de Memória e o Núcleo Central.

 

Título: Memórias de vidas no campo: a Revolução Verde e as transformações nas “artes de fazer e conviver” dos trabalhadores de bairros rurais de Cambuci (1950-2000)
Coordenador: Gabriel Almeida Frazão
Campus: Cambuci
Resumo: O projeto Memórias de vidas no campo: a Revolução Verde e as transformações nas “artes de fazer e conviver” dos trabalhadores de bairros rurais de Cambuci (1950-2000) é fruto do anseio de se entender melhor o processo de histórico mais recente de formação e de desenvolvimento de regiões rurais do Estado do Rio de Janeiro. Ele tem como objetivo principal: analisar as transformações nas práticas econômicas, sociais e culturais dos trabalhadores de duas regiões rurais de Cambuci nos últimos 50 anos do século XX. O principal referencial teóricometodólogico da pesquisa, de caráter qualitativo, baseia-se na História Oral (FERREIRA e AMADO, 2006; THOMPSON, 1998). Por meio dela, pretende-se pesquisar a realidade econômico-social e a memória social/coletiva (LE GOFF, 2013) de tais comunidades utilizando os conceitos de “táticas, estratégias, modos de ser, de fazer e de conviver” elaborados por Michel Certeau (2008). A equipe, formada pelo coordenador, um profissional de língua portuguesa, um docente com experiência no manuseio de equipamentos áudio-visuais e dois bolsistas, visitará as áreas pesquisadas, para o mapeamento das famílias mais antigas dessas localidades. Após a identificação, iniciar-se-ão as entrevistas, que serão conduzidas a partir de um roteiro temático. Em seguida, realizar-se-ão as transcrições e a disponibilização desse material no Facebook do Centro de Memória do IFF Cambuci. Espera-se que, por meio das ações deste projeto, o Campus possa: formar e disponibilizar à sociedade um corpus mínimo que auxilie nos estudos sobre a história, as práticas agropecuárias e as relações sociais das comunidades rurais estudadas; promover o debate sobre as consequências locais da Revolução Verde; e levar a uma reflexão sobre o uso indiscriminado dos agrotóxicos, uma prática corrente nessas regiões. Enfim, pretende-se contribuir na construção de uma proposta de desenvolvimento sustentável e coletivo, no qual os homens e as mulheres do campo sejam protagonistas das suas ações.
Título: A Disseminação da Cultura do Bom Uso das Novas Tecnologias Apoiada a Segurança da Informação
Coordenador: Wellington de Freitas Duarte
Campus: Cabo Frio
Resumo: A avalanche de dispositivos tecnológicos e a maciça adoção que dita o novo perfil da sociedade virtual, abre um manancial de possibilidades para os cibercriminosos e suas possíveis vítimas que habitam no ciberespaço, esses novos criminosos estão utilizam recursos cada vez mais avançados, exploram ao máximo as vulnerabilidades de suas vítimas, e assim tem sucesso em seus objetivos, para reverter essas estatísticas é necessário incutir a cultura do uso consciente dos dispositivos tecnológicos, focado nas ações relacionadas à segurança da informação de forma responsiva, para mitigar as ameaças para que não venha ferir a privacidade e intimidade dos demais, estabelecer critérios ao se posicionar com postagens nas redes sociais, pois as exposições das informações nesses ambientes são de cunho público, sem grandes garantias de sigilo, mesmo quando se utilizam tais ferramentas e os objetivos desses sites são puramente negócios e o fato de publicitar a gratuidade de seus serviços é uma jogada comercial, que garante uma ampla capitação de pessoas e suas informações pessoais, infelizmente boa parte mal sabem manusear suas informações nas simples ações como criar, armazenar e compartilhar. Essa oferta maliciosa mascara o capitalismo informacional, dita costumes e manipulam seus usuários, a informação é artigo de luxo na sociedade do conhecimento e o grande público está sendo alvejado, por estar desprotegido devido à falta de conhecimento, só agora o Estado começa assumir suas responsabilidades, mas não se compara aos avanços necessários indicados por outros países mais atentos aos males que a disseminação descontrolada da tecnologia viral, que até o momento, não se pode dimensionar. As devidas orientações devem ser dadas de forma mais abrangente e contínua com vertentes exponenciais, com colaboradores em todas as esferas, militantes que venham disseminar o quanto antes a inclusão digital voltada à segurança da informação a esses cidadãos virtuais que ainda carecem de tal atenção, fomentar as tomadas de decisões sobre os critérios responsivos, éticos e legais aparadas pela Lei Nº 12.737 que tipifica os delitos informáticos e o Marco Civil, só assim as estatísticas que assolam parte dessa sociedade virtual sem conhecimento, terá um pouco mais de equilíbrio.
Título: Centro de Memória Nilo Peçanha: Resgate e Preservação da Memória Institucional
Coordenador: Emerson Da Mota Saint'Clair
Campus: Campos Centro
Resumo:  O centro de Memória Nilo Peçanha é responsável por coletar, tratar e guarda a comentação produzida pelo campus Campos Centro do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Fluminense, com o compromisso de preservação e divulgação presencial e virtual de sua história. Visa, com isso, complementar as ações educativas e culturais do campus, resgatando e colocando à disposição de tantos quantos queriam viver e reviver a Memória dos aprendizes artFFices de Campos dos Goytacazes. Dando continuidade às atividades do Centro de Memória nessa próxima etapa daremos sequência às ações já desenvolvidas, uma vez que muitas fotos localizadas ainda não puderam ser identificadas por falta de informações de pessoas que tenham conhecimento sobre eventos e ou pessoas que aparecem nas respectivas fotos e ampliaremos os estudos em relação a preservação de informações em uma nova área: a representação estudantil. A parte do projeto referente as atividades da área de educação física, esportes e práticas corporais desenvolvidas/praticadas na Instituição será dada continuidade agora em fase de entrevistas com as pessoas envolvidas com tais ações. O percurso metodológico se desenvolverá a partir da organização e análise de documentos e as entrevistas com docentes que construíram a memória da educação física e dos esportes na instituição. Para o tratamento dos dados recorremos aos referenciais metodológicos de Análise de Conteúdo e História oral. Espera-se que essas ações objetivam divulgar os conhecimentos produzidos a partir da realização das entrevistas buscando, um dos elementos da construção cultural e da identidade de uma cidade e das pessoas que nela vivem.
Título: ReContar uma história de luta - digitalização e organização dos arquivos do Movimento Afro Brasileiro de Itaperuna.
Coordenador: Eduardo Lucindo Rodrigues da Cunha
Campus: Itaperuna
Resumo: O projeto tem como principal objetivo a organização e digitalização dos arquivos ainda existentes e dispersos dos registros fotográficos do movimento Afro Brasileiro de Itaperuna. Desta maneira, o projeto se propõe a recontara história do movimento iniciado em 1983 e atualmente até os dias de hoje, de forma a organizar de maneira cronológica as várias ações do grupo, a fim de criar um produto que sirva de instrumento de fortalecimento identitário e portfólio apresentação do movimento. Em outras palavras, uma exposição fotográfica como todo material levantado e organizado de forma a possibilitar a reprodução da mesma seguindo as necessidades de eventos e datas.
Título: Acervo de José Carlos Ligiero: centro de referência e documentação musical em Itaperuna
Coordenador: Adler dos Santos Tatagiba
Campus: Campos Guarus
Resumo: O projeto trata da proposta da ação institucional para criação do “Centro de Referência e Documentação musical de Itaperuna”. A criação deste centro visa entender inicialmente as necessidades de uma melhor acomodação, preservação e divulgação do Acervo de José Carlos Ligiero. O referido acervo particular gurda um dos mais relevantes conjuntos documentais especializados em música que se tem notícia na região Noroeste Fluminense. À medida que especializamos música que contém a obra de um prolífico compositor, José Carlos Ligiero, além de raros e talvez únicos registros de diversas obras musicais do compositor e de outros. O presente projeto tem por objetivo principal criar um centro permanente de referência e documentação da música encontrada no acervo, contando com infra-estrutura adequada para a realização das finalidades, que são: acomodação (própria sede/sala adequada), documentação (organização dos documentos/local de trabalho apropriado), preservação (arquivo), desenvolvimento de pesquisa/estudo (sala), sala de exposição (para objetos), e, divulgação (infra-estrtura tecnologica). Assim, espera-se viabilizar o acesso a variados instrumentos de pesquisa. A caráter interdisciplinar portanto, destaca-se que o publico deve ser diversificado: incluindo estudantes, acadêmicos e o público em geral.
Título: Centro de Memória IF Fluminense campus Macaé e a preservação da memória - ações e desafios.
Coordenador: Henrique Barreiros Alves
Campus: Macaé
Resumo: A construção da identidade de uma instituição só é possível através de sua memória. A preservação dos mais variados acervos que vem a formar seu patrimônio institucional é o principal desvelo do Centro de Memória, seguindo da sua disseminação, que possibilita à comunidade fontes diversas para investigação histórica, social, política e econômica da região. O Centro de Memória do campus Macaé do Instituto Federal Fluminense entra em sua terceira fase e objetiva continuar a expansão de seu campo de ação e aprimorar a execução do trabalho. Visa reforçar o papel reconhecido dos institutos federais de se integrarem á região em que se encontram inseridos, e contribuir continuamente para a preservação do patrimônio material e imaterial local. A missão do Centro de Memória é dar continuidade á captação, organização, preservação e disponibilização dos acervos documentais em toda sua diversidade sobre o campus Macaé e sobre localidades em seu entorno, e promover ações de caráter multidisciplinar e relevantes para a pesquisa e a extensão, relativas à temática da memória e da cultura. Utiliza mídias sociais, as ferramentas institucionais para o manuseio do acervo cotidianamente captado e promove variadas ações de cunho cultural. Visa ampliar a noção de tempo e espaço, focando nas relações sociais que contribuem a noção de memória inerente ao sujeito histórico.
Título: Centro de Memória IFF - Campus Avançado Maricá - conhecendo, valorizando e construindo nossas memórias
Coordenador: Fernando Gil Portela Vieira
Campus: Maricá
Resumo: Implantado no campus Avançado Maricá no início de 2016, o centro de Memória serve, por meio do (re) conhecimento e da pesquisa sobre a história e memória locais, à aproximação entre a comunidade e acadêmica e a população Maricaense, Na realidade do campus ao qual é vinculado, inaugurado, em sede provisória, em fins de 2014, as ações do núcleo apontam para duas frentes. Na primeira delas, a equipe trabalha na sistematização dos registros pertinentes à implantação do campus, nos aspectos físicos (infra-estrutura da sede provisória, obras da sede permanente), acadêmico (projetos, cursos e eventos realizados) e de divulgação (notícias sobre a instituição veiculadas na imprensa local). A segunda frente compreende o empenho dos membros do projeto na valorização do patrimônio histórico e cultural de Maricá, empreendendo ações de reconhecimento e preservação das memórias existentes na comunidade municipal. Para o alcance dessas metas, o centro de Memória tem contado com o apolo institucional da gestão do campus Avançado de Maricá, que disponibiliza um espaço para reuniões da equipe e o trabalho dos bolsistas, além do apoio institucional no estabelecimento de parcerias. A título de resultado, as atividades do núcleo objetivam a construção coletiva da memória do campus e o conhecimento da história e das memórias locais.
Título: Centro de Memória Identidade Local & Patrimônio Coletivo.
Coordenador: André
Campus: Quissamã
Resumo: O Centro de Memória “Identidade Local & Patrimônio coletivo” vem se consolidando, ao longo de seus quatro anos de existência, como um espaço de livre manifestação de pensamento. Essa sua autoidentidade se justifica tanto por se constituir o centro em um lugar de reunião de pessoas comprometidas com as mais diversas formas de produção intelectual, artística e cultural, quanto por fomentar ele mesmo um processo de ressignificação da identidade coletiva local de Quissamã a partir de uma perspectiva de educação cidadã que se alinha com o entendimento crítico e não contemplativo da realidade. Seu duplo objetivo geral passa pela preservação e pela divulgação da memória coletiva do próprio campus, inserindo-a no contexto mais amplo da história local deste município da baixada Campistas. As ações aqui desenvolvidas buscam: reunir, catalogar e disponibilizar documentação e bibliografia: promover atividades e pesquisas: realizar cursos, palestras, seminários, exibições de filmes e atividades afins; articular encontros interdisciplinares; promover ações de intercâmbio com outras instituições de ensino e pesquisa. O espaço físico do centro de memória foi propositalmente organizado de maneira tal que possa servir , com pequenas modificações, como estúdio audiovisual, sala de aula, de estudos, de exposição, de exibição de vídeo, etc. Em eventos cuja demanda de público assim o exigir, está prevista a utilização do auditório ou dos jardins do campus, bem como solicitação temporária de equipamentos culturais da Prefeitura Municipal de Quissamã, como centro Cultural sobradinho ou Museu Casa de Quissamã. Além disso, desde dua criação o Centro de Memória tem se reafirmado como espaço de produção audiovisual e atualmente objetiva a criação de um documentário sobre a Vila Operária do Engenho Central, que irá se somar produções de documentários desenvolvidos por este centro.
Título: O que vi do IFF.
Coordenador: Carlos Henrique Morellato
Campus: Reitoria
Resumo: “O que Vi no IFF” é um projeto concebido pela,então, Pró-Reitoria de Desenvolvimento da convivência humana, no ano de 2016, e se propõe a resgatar momentos interessantes, vivencias, acontecimentos que marcaram a história do IFF, a história regional, através da captação de áudio e video (em linguagem de depoimento) de servidores aposentados, produzindo rica fonte de informação histórica institucional ao mesmo tempo em que valoriza a contribuição desses personagens.
Título: Navegar é preciso. São João da Barra entre o rio e o mar.
Coordenador: Priscila Mattos Monken
Campus: São João da Barra
Resumo: O projeto Navegar é preciso São João da Barra entre rio e mar tem como eixo norteador a navegação e como pano de fundo a Foz do Rio Paraíba do Sul e os seu encontro com o mar: seus portos, suas técnicas de construção dos barcos artesanais, as memórias, linguagem e vivências dos homens e do rio e mar. Devido a riqueza do tema proposto, o projeto se divide em quatro grandes linhas de conhecimento e pesquisa: 1) Histórica: na qual se resgata e difunde a História da navegação no município; 2) Linguístico: na qual se pesquisa o processo diacrônico e diastrático na Língua Portuguesa na comunidade pesqueira: 3) Literária: As águas na literatura são muitas, percorridas de diferentes formas, apontando diversos cursos. “Quem me dera ser de onda”, de Manuel Raul: “A casa velha das margens”, de Arnaldo Santos;”De rios velhos e guerrilheiros”, de José Luandino Vieira; e “A duas sombras rio”, João Paulo Borges são alguns exemplos de águas africanas na literatura. Entretanto, aqui se considerará as águas brasileiras, localizadas em São João da Barra e representadas por uma comunidade pesqueira que, muitas vezes marginalizada, terá na literatura um resgate de suas memórias. O pescador será o escritor das travessias entre o passado e o futuro, por meio do gênero relato de viagem; 4)Técnica Naval: em que se visa preservar, conhecer, valorizar e registrar as técnicas artesanais dos construtores de barcos da região.O resultado esperado do projeto é transformador o Instituto Federal Fluminense campus Avançado de São João da Barra em um lugar de produção, troca, valorização, acolhimento e difusão da memória da navegação no município, trazendo todos os saberes para dentro da escolha e fazendo a escola ir ao encontro de outros alunos, pescadores e construtores de barcos artesanais, que contribuem o público-alvo do projeto. 
Título: Centro de Memória do campus Santo Antônio de Pádua - Território, Memória e Cultura.
Coordenador: Marcelo Teixeira
Campus: Santo Antônio de Pádua
Resumo: A presente proposta para mais um ano de atividades dos Centro de Memória do campus Santo Antônio de Pádua se baseia na preservação da memória institucional do campus, para tanto, buscar-se-á reunir, preservar, problematizar e divulgar documentos referentes ao campus, qual sejam, fotografias, documentos administrativos e pedagógicos, vídeos, textos, cartazes que tenham registrado as várias ações já ocorridas desde a sua inauguração, conta-se para a execução da proposta com a ação dos bolsista junta à comunidade escolar e á população da cidade. Dentro do campus, buscaremos o registro das atividades nesses diversos suportes, sempre esclarecendo que, mais do que uma coleta, o trabalho busca contribuir para a criação de uma cultura de guarda e preservação da memória institucional junto á população, procuraremos divulgar nossas memórias e entender, a partir dela, como o campus é visto e o que se espera dele. Desse modo, não se pretende propriamente, enquanto um resultado esperado, a constituição de um “arquivo histórico” sobre o campus. Isto, no seu sentido stricto sensu, demanda outros recursos financeiros, metodológicos e intelectuais. O que se pretende é preservar a memória do campus como estratégia para entender sua evolução, desde dua inauguração até a formatura de sua primeira turma, e como ao longo desse tempo o território percebeu nossa existência. Assim, enquanto interação dialógica com a sociedade, serão realizadas cinco visitas em escolas públicas e privadas de Santo Antônio de Pádua para, primeiro, apresentar aos alunos e funcionários os resultados de nossas construção de memória institucional, para, com isso estimularmos o mesmo dentro dessas escolas, pois, com essa ação, esperamos lançar uma semente para preservar a memória da educação no nosso território. Em segundo lugar, essas visitas objetivam aplicação de pequeno questionário para sabermos como as outras escolas percebem o impacto do nosso campus no território e o que essas escolas esperam do nosso campus junto ao território. Compilando os dados desse questionário esperamos perceber, a partir do Centro de Memória, a relação como nosso campus foi constituído e como constitui o território no qual inserido.