CAMPUS CAMBUCI

Você está aqui: Página Inicial > Nossos campi > Cambuci > Pesquisa > Estratégias de adubação nitrogenada para melhoria na qualidade da cana-de-açúcar para alimentação animal

Estratégias de adubação nitrogenada para melhoria na qualidade da cana-de-açúcar para alimentação animal

por Campus Avançado Cambuci publicado 21/08/2020 11h23, última modificação 21/08/2020 11h23

PIBIC CNPq (2018-2019)

Coordenadora: Marize Bastos de Matos.

RESUMO: A cana-de-açúcar integral é uma forragem rica em energia e sua principal limitação nutricional é o baixo conteúdo de proteína bruta. Uma das práticas de manejo que impactam diretamente na produtividade da cultura é a fertilização nitrogenada. O nitrogênio é um dos nutrientes mais exigidos pela cana-de-açúcar, sendo absorvido preferencialmente como NH4 + e NO3. Esta cultura apresenta grande potencial forrageiro pela alta produção de massa e manutenção da qualidade durante a seca. Dietas exclusivas de cana/uréia/minerais, resultam em mantença do peso vivo, principalmente em épocas de escassez de forragem. Desta forma o objetivo do trabalho será o de avaliar o impacto da adubação nitrogenada em diferentes épocas como estratégia para melhoria da qualidade da cana-de-açúcar para suplementação alimentar do rebanho bovino na época da seca, garantindo a produção contínua ao longo do ano. O experimento será implantado no IFF campus avançado de Cambuci. O delineamento experimental será um fatorial 2x5x4, sendo duas variedades RB de cana-de-açúcar, com cinco tratamentos e quatro repetições, constituindo um total de 32 parcelas. Os tratamentos consistirão em diferentes épocas de adubação nitrogenada da planta: controle (sem adubação), 30, 60, 90 e 120 dias após o plantio. Cada parcela terá 4 linhas de cinco metros, sendo as duas centrais avaliadas. Antes do plantio será realizada análise do solo para a recomendação de calagem e adubação. O plantio e os tratos culturais serão realizados de acordo com a recomendação para cana-de-açúcar, exceto a adubação nitrogenada que será realizada de acordo com os tempos de aplicação de cada tratamento. Na colheita serão realizadas análises: biométricas, tecnológicas e bromatológicas. Para as análises biométricas serão realizadas seis avaliações não destrutivas aos: 114, 169, 230, 301, 396 e 526 dias após o plantio. As análises bromatológicas realizadas serão: nitrogênio (N), proteína bruta (PB), extrato etéreo (EE), fibra em detergente neutro (FDN) e fibra em detergente ácido (FDA) matéria seca (MS) e cinzas e teor de sacarose e açúcares totais (análise tecnológica). Espera-se que a adubação de cobertura em épocas diferenciadas incremente principalmente a proporção de N na planta e consequentemente de proteína bruta, que por efeito de diluição reduza a proporção de fibra na mesma.

registrado em: