CAMPUS CAMBUCI

Você está aqui: Página Inicial > Nossos campi > Cambuci > Pesquisa > Prospecção de espécies vegetais com potencial uso no controle de insetos vetores de zoonoses

Prospecção de espécies vegetais com potencial uso no controle de insetos vetores de zoonoses

por Campus Avançado Cambuci publicado 21/08/2020 15h50, última modificação 21/08/2020 16h28

FAPERJ / Jovens Talentos (2018-2019)

Coordenador: Vicente Martins Gomes.

RESUMO: As estratégias de controle das doenças transmissíveis por vetores biológicos são de difícil execução, principalmente quando associadas à existência de reservatórios domésticos e silvestres e aos aspectos ambientais. O amplo uso dos inseticidas sintéticos para o controle de vetores que transmitem doenças ao homem, levou a uma maior preocupação em relação à toxicidade e impacto ambiental destes agentes. Um grande número de diferentes espécies de plantas tem se mostrado capaz de causar efeitos letais sobre insetos. Este trabalho buscou fazer uma prospecção de espécies vegetais com potencial uso no controle de insetos vetores de zoonoses como mosquitos Aedes aegyptii. Foram preparados tinturas mãe concentradas a 20% a partir das folhas das espécies: Azadirachta indica; Tetradenia riparia; Aloysia gratíssima; Eryngium coronopifolium; Tagetes patula; Ruta graveolens; Cymbopogon winterianus; Momordica charantia; Artemisia absinthium; Cordia verbenácea, as quais foram testadas em diferentes concentrações para o controle de larvas L3 e L4 de A. aegyptii. As avaliações foram diárias até a mudança de fase do mosquito (formação de pupa) contando-se o número de larvas vivas e mortas quando expostas as diferentes concentrações das tinturas (0%; 1%; 2% e 4% v/v). Para a análise estatística, as variáveis foram testadas quanto à homogeneidade das variâncias (testes de Cochran & Bartlett). Todo o experimento foi repetido, tendo-se feito uma análise conjunta das repetições no tempo. Os resultados mostraram que as tinturas das espécies Ruta graveolens e Azadirachta indica causaram mortalidade de 100% das larvas de A. aegyptii a uma concentração de 4%.

registrado em: