CAMPUS BOM JESUS DO ITABAPOANA

Você está aqui: Página Inicial > Nossos campi > Bom Jesus do Itabapoana > Notícias > Lançamento de livro no IFF Bom Jesus destaca protagonismo de estudantes

Notícias

Lançamento de livro no IFF Bom Jesus destaca protagonismo de estudantes

Ensino

Estudantes compartilharam experiência de participar do projeto do livro durante a tarde de lançamento.
por Comunicação Social do Campus Bom Jesus do Itabapoana publicado 28/10/2019 17h00, última modificação 28/10/2019 17h07
Show image carousel Alunos e professores participantes da criação do livro participaram do evento de lançamento.

Alunos e professores participantes da criação do livro participaram do evento de lançamento.

Os depoimentos dos autores foram unânimes durante o lançamento do livro “Não sei se ensinei, mas sei que aprendi”. A surpresa do convite para escrever uma publicação; a emoção de integrar o processo criativo; a satisfação de transformar emoções e vivências em palavras eternizadas. Foram muitos os sentimentos e pensamentos confessados pelos estudantes e ex-alunos do Instituto Federal Fluminense Campus Bom Jesus do Itabapoana que se debruçaram sobre o projeto da obra.

Das palavras escritas à abertura do evento, todo o livro evidencia a importância do protagonismo dos estudantes no processo de ensino e aprendizagem. Em seus depoimentos, os autores compartilharam experiências pessoais, medos, superações e mudanças que o projeto proporcionou a eles. A aluna Renata de Andrade deixou a timidez e o receio de falar em público para contar sua história com a escrita. “Sempre tive muita confiança no papel, onde sempre pude colocar meus sentimentos. A gente cresce e encontra no meio acadêmico uma escrita mais engessada, mas a Ana inspirou em mim uma mudança. O convite para escrever me deixou mais confiante. Ela apostou em mim e isso me incentivou a escrever mais, o que foi muito bom. Espero conseguir inspirar outras pessoas também”, disse.

A “Ana” da história de Renata é a professora Ana Guimarães, uma das organizadoras da obra, que enfatiza a participação dos alunos nesse processo de aprendizagem. “O livro foi escrito por várias mãos; de professores, que se uniram aos alunos, que foram os autores. Todos escreveram juntos e aprendemos juntos”, lembra. Em sua fala durante o lançamento, ela incentivou os demais estudantes a se interessarem por essa escrita coletiva, pelo diálogo com professores e com seus pares. “É uma forma de trocar conhecimento, de crescer. Somos nós aqui hoje, mas deve ser vocês amanhã. Juntem-se a nós e escrevam juntos”, encorajou.

“Crescimento” foi o que Thayná Gaspar da Silva também destacou em seu relato sobre a participação no livro. Contando a trajetória com a matemática, lembrou que achava impossível aprender a disciplina. O medo de perguntar e “passar vergonha” deu lugar ao interesse que chamou a atenção do professor de Matemática Leonardo Muniz, com quem divide um capítulo da publicação, ao lado dos também estudantes Ariel Rodrigues e Ruan Carlos Nascimento. Longe da sala de aula, os três optaram por usar o Whatsapp como espaço educativo, onde enviavam suas dúvidas e questionamentos para o professor, que se recusava a dar respostas prontas. “Farei perguntas até que eles sejam capazes de solucionar o problema em questão. Assim, eles terão o mesmo prazer que sinto”, relata Leonardo no ensaio.

A professora Camila Valinho prestigiou o evento e classificou as experiências relatadas como “singulares”. “Interessante ver a proposta do livro completada com a apresentação, vocalizando a obra por seus autores. Trazer o aluno à escola para vivê-la permite uma troca inesquecível de conhecimentos e afetações”, disse, parabenizando os organizadores, autores e colaboradores.

O livro pode ser adquirido no site da editora Brasil Multicultural.