CAMPUS CAMPOS CENTRO

Você está aqui: Página Inicial > Nossos campi > Campos Centro > Notícias > IFF integra Missão educacional da Associação Brasileira de Ensino de Arquitetura (ABEA)

Notícias

IFF integra Missão educacional da Associação Brasileira de Ensino de Arquitetura (ABEA)

Arquitetura

Coordenador do Curso de Arquitetura e Urbanismo do Instituto e outros 15 representantes de cursos brasileiros estiveram na Finlândia e Inglaterra.
por Comunicação social do Campus Campos Centro publicado 12/05/2016 19h30, última modificação 12/05/2016 19h34

A missão teve como objetivo fazer um estudo de ambientes avançados de ensino, para posteriormente promover entre estudantes e professores brasileiros um debate a respeito. Os cursos de arquitetura e de urbanismo dos dois países europeus estão entre os mais importantes do mundo.

No caso filandês, discute-se atualmente, em que medida a área pode contribuir com o processo educacional. Participar dessa discussão é um dos saldos positivos da recente interação de arquitetos brasileiros com o meio acadêmico do país nórdico. Coordenador do Curso de Arquitetura e Urbanismo do IFFluminense, o professor Luciano Falcão foi um dos integrantes do grupo que passou uma semana em visita a campus universitários, escolas de arquitetura e em visitas guiadas a importantes espaços arquitetônicos.

Com muita informação, contatos feitos e pelo menos 1.500 fotos, em que registrou o que viu, Luciano prepara uma série de encontros com professores e estudantes de arquitetura do campus para trocar informações. “Tive uma impressão muito positiva e acho que não é algo tão distante do que temos aqui. Considerando nossas limitações, vejo que temos alguns avanços”, avalia.

Lá e cá – Luciano explica uma das diferenças entre os cursos:  “Lá a formação é diferente. Arquitetura é um curso e urbanismo é outro”. Outra percepção do professor e de seus colegas foi quanto a formação. Enquanto em instituições brasileiras ela acontece em cursos de bacharelado de cinco anos e por fim é apresentado um trabalho de conclusão, na Finlândia, os estudantes de arquitetura dedicam-se por três anos aos estudos (não envolvendo urbanismo) e passam por dois anos de especialização. Somente depois de trabalhar por três anos, podem se submeter a uma avaliação para, então, ter direito à habilitação.

Na Finlândia, turmas de arquitetura são integradas por estudantes de vários países, as aulas são ministradas em língua inglesa e disso resulta uma “arquitetura antenada com as demandas do mundo”, observa Luciano. Duas outras impressões são: a valorização da atividade profissional do arquiteto no país e o formato do ensino de arquitetura na estrutura filandesa – superior em equipamentos e espaços especializados. A visita aconteceu em meados de abril deste ano.

Comunicação Social do Campus Campos Centro